Category Archives: Produtos Digitais

A web móvel assume o controle

A web móvel assume o controle

Existe uma previsão de que, muito em breve, o uso da internet através de dispositivos móveis irá ultrapassar o uso da internet através de computadores desktop. Quase todos os dias surgem vários relatórios ou pesquisas, cada um apresentando estatísticas e previsões para o futuro.

Conhecer esses dados pode ajudar na tomada de decisões, tanto na hora de criar uma estratégia mobile para a sua empresa quanto na hora de desenvolver um novo produto digital, que será voltado para os dispositivos móveis, como um site mobile (responsivo ou dedicado) ou um aplicativo.

O infográfico The takeover of the mobile web, por exemplo, mostra porque é provável que a internet mobile ultrapasse a internet desktop até 2015. Além disso, o infográfico também avalia se o computador desktop está prestes a se tornar um device rumo à extinção. Abaixo, você pode ver um resumo desses dados.

ESTATÍSTICAS GERAIS

  • Desde 2011, mais de 45% da população mundial estava coberta por 36 redes móveis.
  • Em maio de 2012, 10,11% dos page-views dos sites foram realizados a partir de dispositivos móveis.
  • Um terço dos norte-americanos adultos possuem smartphones. Esse número tende a aumentar cada vez mais ao longo do tempo.
  • Em 2012, 1 em cada 6 pessoas tinha a intenção de comprar um tablet.
  • Países em desenvolvimento como como Egito, India e África do Sul possuem, respectivamente, 70%, 59% e 57% de usuários exclusivamente mobile (que nunca, ou raramente, usam computadores desktop ou notebooks para acessar a web), enquanto essa porcentagem nos EUA é de 25%.
  • Entre os novos usuários de tablets, 40% o utilizam para acessar notícias, 48% o utilizam para ouvir música, 48% o utilizam para acessar redes sociais e 67% o utilizam para acessar a internet.
  • As redes sociais representam um enorme papel na expansão da internet móvel: em junho de 2012, o Facebook registrou 543 milhões de usuários ativos por mês nos seus aplicativos mobile.
  • Durante a CES 2011, o Twitter declarou que 40% dos seus posts eram realizados através de dispositivos móveis (como isso já faz mais de 2 anos, provavelmente, esse número já aumentou).
  • A AOL demorou 9 anos para atingir 1.000.000 de usuários. O Facebook demorou 9 meses para atingir a mesma marca. O aplicativo Draw Something demorou 9 dias.
  • O aplicativo Instagram foi lançado em 2011. Um ano depois, possuía 13 empregados e 25 milhões de usuários.

AUMENTO DE USO

  • A busca em dispositivos móveis cresceu 500% de novembro de 2010 até novembro de 2012.
  • O uso médio de smartphones triplicou em 2011.
  • A quantidade média de tráfego gerado por smartphones em 2011 era de 150 Mb por mês, enquanto em 2010 a quantidade média era de 55 Mb por mês.
  • A velocidade média de downstream das redes mobile aumentou mais de 66% (de 189 Kpbs em 2010 para 315 Kbps em 2011).
  • A velocidade média de conexão das redes mobile aumentou mais de 39% (968 Kbps em 2010 para 1.344 Kbps em 2011).
  • Em 2011, o tráfego mobile foi 8 vezes maior do que o tamanho de toda a internet global em 2000.
  • O tráfego mobile em 2011 foi 8 vezes maior do que o tráfego mobile em 2010.
  • O tráfego mobile mais que dobrou de 2011 para 2012 (indo de 0,6 exabytes por mês para 1,3 exabytes por mês).

E-COMMERCE MÓVEL

  • Entre os usuários de smartphones, 29% o utilizam para fazer compras – 78% dos usuários de smartphone dos EUA relatam que utilizam o dispositivo em lojas.
  • Entre os usuários de tablet, 24% o utilizam para fazer compras de 2 a 3 vezes por mês, 20% o utilizam para fazer compras mais de uma vez por semana e 12% o utilizam para fazer compras todos os dias.
  • Mais de 50% dos usuários mobile retornam aos sites de compras.

INTERNET MÓVEL vs. INTERNET DESKTOP

  • Em 2012, o número de vendas de smartphones e tablets superou o número de vendas de PCs.
  • Em 1 ano, as vendas de PC tiveram um declínio (significativo) de 5 milhões de unidades durante o segundo trimestre: no Q2 de 2011 foram em torno de 75 milhões, enquanto no Q2 de 2010 eram de 80 milhões.
  • Em 2010, a Google se tornou a primeira empresa mobile-first, ou seja, tudo que eles desenvolvem é testado primeiro em dispositivos móveis.

ESTIMATIVAS PARA O FUTURO

  • Estima-se que o tráfego mobile global cresça para 10,8 exabytes por mês em 2016.
  • Os tablets irão ultrapassar os 10% do tráfego mobile global em 2016.
  • O smartphone médio irá gerar 2,6 Gb de tráfego mensal em 2016.
  • Em 2016, a Ásia e a Europa Ocidental irão representar mais da metade do tráfego mobile (estima-se que a porcentagem será de 62,57%). Esse aumento irá representar um share crescente do tráfego mobile de 15% em 2011 para 19% em 2016.
  • Espera-se que os pagamentos através de dispositivos móveis sejam quadruplicados nos próximos 5 anos.
  • Estima-se que, entre 2010 e 2015, o número de usuários de internet móvel nos EUA irá aumentar 16,6% enquanto, gradualmente, o número de usuários de PCs irá diminuir. O Japão e a Europa Ocidental não estarão muito atrás desses números.
  • Estima-se que, em 2015, as vendas de desktops represente apenas 18% das vendas de dispositivos computadorizados.
  • O número de usuários de internet ao redor do mundo irá crescer de 2 bilhões em 2010 para 2,7 bilhões em 2015. Isso significa que 40% da população mundial terá acesso à rede mundial de computadores.

Além dos dados do infográfico The takeover of the mobile web, apresentados acima, há também o relatório The Cisco Visual Networking Index (VNI) global mobile data traffic forecast update, que mostra um panorama do tráfego mobile em 2012 e as previsões daqui a 5 anos. Abaixo, você pode ver um resumo desse relatório.

UM PANORAMA DAS REDES MOBILE EM 2012

  • O tráfego de dados mobile cresceu 70% em 2012, alcançando 885 petabytes por mês no final do ano (enquanto era de 520 petabytes no mesmo período do ano anterior).
  • Em 2012, o tráfego de dados mobile foi 12 vezes maior do que o tamanho de toda a internet em 2000.
  • Pela primeira vez, o tráfego mobile de vídeos ultrapassou a marca de 51%.
  • As velocidades de conexão das redes mobile mais do que dobraram em 2012: a velocidade média de downstream atingiu 526 Kbps contra os 248 Kbps em 2011 (vale ressaltar que segundo o infográfico The takeover of the mobile web, a velocidade média de downstream em 2011 foi de 315 Kbps).
  • Em 2012, as conexões 4G geraram um tráfego 19 vezes maior do que os demais tipos de conexões. Apesar do 4G representar apenas 0,9% das conexões mobile, a tecnologia é responsável por 14% desse tráfego.
  • A média de uso de smartphones cresceu 81% em 2012. A quantidade média de tráfego gerado por esses dispositivos foi de 342 Mb em 2012 contra 189 Mb em 2011.
  • Apesar dos smartphones serem apenas 18% dos dispositivos de mão utilizados em 2012, eles representaram 92% do tráfego (gerando um volume 50 vezes maior do que um aparelho de telefone celular típico).
  • Em 2012, os tablets geraram um volume de tráfego 2,4 maior do que a média de tráfego dos smartphones. O tráfego por tablet foi de 820 Mb por mês, enquanto o tráfego por por smartphones foi de 342 Mb por mês.
  • O uso de aparelhos de telefone celular (que não são smartphones) aumentou 35% em 2012. Os aparelhos básicos ainda são a grande maioria dos dispositivos de mão conectados, representando 82% do total.

PREVISÕES PARA O FUTURO DO TRÁFEGO MOBILE (ATÉ 2017)

  • Em função do aumento do uso de smartphones, os dispositivos de mão irão ultrapassar 50% do tráfego mobile em 2013.
  • No final de 2013, o número de dispositivos mobile conectados irá superar o número de pessoas na Terra. Em 2017, estima-se algo em torno de 1,4 dispositivos móveis por pessoa. Serão mais de 10 bilhões de dispositivos móveis conectados em 2017, em relação a 7,6 bilhões de pessoas.
  • A velocidade média de conexão mobile irá ultrapassar 1 Mpbs em 2014.
  • Os tablets irão superar 10% do tráfego mobile global em 2015.
  • O tráfego mobile a partir de tablets irá superar 1 exabyte por mês em 2017.
  • A velocidade de conexão mobile irá aumentar 7 vezes até 2017. A velocidade média de conexão (526 Kbps) em 2012 irá ultrapassar 3,9 Mbps em 2017.
  • Em 2017, o tráfego mobile mensal irá ultrapassar a marca de 10 exabytes.
  • Em 2017, dois terços do tráfego mobile mundial será por causa dos vídeos – que irão crescer 16 vezes entre 2012 e 2017, representando 66% do tráfego mobile total no final desses 5 anos.
  • Os tablets irão gerar mais tráfego em 2017 do que toda a rede mobile em 2012. A quantidade de tráfego gerado pelos tablets em 2017 (1,3 exabytes por mês) será 1,5 vezes maior do que a quantidade total do tráfego mobile em 2012 (885 petabytes por mês).
  • Os smartphones irão gerar 2,7 Gb de tráfego por mês em 2017, um aumento de 8 vezes em relação aos 342 Mb de tráfego por mês em 2012. O volume de tráfego agregado a partir de smartphones será 19 vezes maior do que hoje em dia.
  • O Oriente Médio e a África terão o maior crescimento do tráfego mobile, seguidos da Ásia e da América Latina.

Como funciona o algoritmo do feed de notícias do Facebook e porque isso pode ser importante para as fan-pages de marcas e empresas

EdgeRank: o algoritmo do feed de notícias do Facebook

O usuário médio do Facebook passa 27% do tempo no site navegando através do seu feed de notícias. Ao todo são 2.835.000.000 minutos por dia (isso tudo sem incluir o universo mobile). Nos EUA, as pessoas passam mais tempo no feed de notícias do Facebook do que nos 6 maiores sites de mídia do país combinados. Para os usuários, isso significa um monte de fotos de bebês e memes banais. Mas para as marcas e empresas, isso representa uma grande oportunidade.

Já se sabe que as fan-pages do Facebook não atraem usuários – longe disso! 96% dos fãns de uma marca, como a Coca-Cola, por exemplo, praticamente nunca retornam para a fan-page dessa marca após clicar no seu botão “curtir” (isso se eles chegaram a visitar a fan-page algum dia). Portanto, o feed de notícias do próprio usuário é o melhor lugar para alcançar o fã, com uma possibilidade de 40 vezes até 150 vezes maior do que na própria fan-page da marca.

As marcas e empresas, finalmente, estão criando ações eficazes de marketing social. Mas ainda há muito o que aprender sobre as estratégias do Facebook e sobre os algoritmos que o mantém funcionando. No universo da rede social, tempo é diferente de exposição e, em média, apenas 16% dos fãns de uma marca têm a chance de ver as histórias (ou posts) que são publicados na fan-page dessa marca. É nesse momento que aparece o algoritmo “EdgeRank”, utilizado pelo Facebook para determinar onde e quando os posts aparecem no feed de notícias de cada usuário. Portanto, tanto para as marcas/empresas quanto para os usuários, é importante entender o que esse algoritmo mostra no feed de notícias e porque.

As 3 variáveis que compõem o ”EdgeRank” são:

  • Afinidade.
  • Peso.
  • Recência do post.

AFINIDADE:

Essa variável mede a relação entre o usuário que está visualizando o post e o criador dessa história (ou desse post). Quanto mais próxima for essa relação, maior é a pontuação dessa variável. Dessa forma, o feed de notícias irá priorizar as histórias (posts) do seu irmão ao invés de um esquisitão que adicionou você há alguns anos.

Além da afinidade, se você possui uma quantidade maior de interações com outro usuário, isso também irá aumentar a chance dos posts dele aparecerem no seu feed de notícias. Mesmo assim, as suas publicações não irão, necessariamente, aparecer no feed dele.

PESO:

Diferentes tipos de histórias (posts) possuem diferentes pesos. Quanto maior o peso, maior a pontuação dessa variável. As categorias de publicações que possuem maior peso são:

  1. Fotos e/ou vídeos.
  2. Links.
  3. Atualizações em forma de texto. 

O engajamento dos outros usuários em relação aos seus posts também é considerado como um fator importante na variável “peso”. Uma história publicada na forma de um texto simples (sem links ou imagens), que contenha muitos “likes” e muitos comentários, pode conter um peso combinado muito maior do que uma foto que não tenha alcançado algum engajamento (curtidas ou comentários), apesar do peso inicial do post com foto ser maior.

Para encorajar o uso de novas funcionalidades, o Facebook atribui pesos maiores para elas. Portanto, ao utilizar essas novas funcionalidades, é possível alcançar mais fãs. Fica a dica! ;-)

RECÊNCIA DO POST:

Essa variável leva em consideração a seguinte pergunta: há quanto tempo o post foi publicado? Com o passar do tempo, a história (post) perde valor. Portanto, ao considerar a quantidade de tempo como uma das variáveis do algoritmo ”EdgeRank”, o Facebook fez com que o seu feed de notícias permaneça sempre revigorado, com notícias e publicações recentes.

A velocidade com que o post perde valor depende de cada usuário do Facebook. Se você faz login apenas 1 vez por semana, por exemplo, as histórias (posts) que foram publicadas alguns dias atrás ainda têm uma chance de aparecer no seu feed de notícias.

Pronto! Agora você já sabe como funciona o algoritmo ”EdgeRank” e quais são as variáveis que determinam o que aparece no seu feed de notícias. Mesmo assim, você ainda pode estar se perguntando: “como eu posso usar isso a meu favor?”. Se você tem uma fan-page, é possível utilizar 6 dicas para melhorar o seu desempenho:

  1. Seja curto: os posts entre 100 e 250 caracteres atingem 60% mais “likes”, comentários e compartilhamentos do que os posts com mais de 250 caracteres.
  2. Seja visual: publicar álbuns de fotos, fotos e vídeos atingem, respectivamente, 180%, 120% e 100% mais engajamento. Incluir o título e a URL de uma página na legenda da foto é uma boa prática e pode aumentar o alcance da publicação.  
  3. Faça perguntas: publicar frases perguntando a opinião das pessoas irá resultar em um engajamento 90% maior do que um post habitual.
  4. Publique diariamente: é importante lembrar que 96% das pessoas não retornam às fan-pages. Por isso, publicações diárias são a melhor (e única) maneira de alcançar uma audiência consistente.
  5. Seja relevante: os posts relacionados com uma marca, mas que não sejam diretamente sobre essa marca, possuem uma performance melhor. Se você tiver uma loja de bolos de festas, por exemplo, suas publicações devem ser sobre receitas de bolos e dicas de cozimento.
  6. Seja oportuno: faça testes para descobrir qual é o melhor horário para atingir a sua audiência e permaneça com eles.

Obviamente, todas essas dicas não servem apenas para as fan-pages. Mesmo que você tenha um perfil comum, sem qualquer tipo de vínculo com uma marca ou empresa, a lista com as 6 dicas acima pode ser útil para você aparecer mais no feed de notícias dos seus amigos.

O infográfico abaixo ilustra todo o funcionamento do algoritmo ”EdgeRank”. A imagem foi criada pelo pessoal do Post Rocket.

Como funciona o algoritmo do feed de notícias do Facebook
Como funciona o algoritmo do feed de notícias do Facebook (crédito da imagem: Justin Sullivan/Getty Images).

A TV tem futuro?

TV of the Future

Na sua edição de dezembro de 2012, a Revista Info publicou, como reportagem de capa, a matéria “A TV está morta“. Quem olha para essa capa, provavelmente, fica intrigado (pelo menos, eu fiquei). Como assim, a TV, um aparelho tão comum e presente em nossas vidas, está morta?

A TV Está Morta

Mas em uma segunda batida de olho nessa capa, lendo os sub-títulos logo abaixo do título principal, fica claro que a frase de chamada “A TV está morta” não passou de uma grande “brincadeira”. Provavelmente, o editor pensou nessa manchete para chamar a atenção e despertar a curiosidade dos leitores.

Independente da intenção por trás dessas capa, logo em seguida, a revista complementa a informação: “a programação acabou. Você vê o que quer, quando quer. Tablets e celulares são a sua segunda tela. Engajamento nas redes sociais vale mais do que audiência. Bem-vindo à nova TV”.

Portanto, fica claro que a Revista Info não acredita que a TV tenha morrido. Ao contrário disso, a reportagem mostra que eles enxergam que a nossa forma de interagir com o aparelho é que vai mudar. Se você tiver a oportunidade de ler a reportagem, que vai da página 58 até a página 67, poderá ver que a revista declara coisas como:

  • Passar horas sentado passivamente à frente de uma televisão será um hábito do passado.
  • A televisão, que por décadas ditou os costumes e os desejos de consumo, começa a se reinventar.
  • A televisão vai permitir assistir o que você quer, quando e onde quiser (o telespectador vai poder organizar a sua própria grade de programação).
  • O conteúdo on-line, interativo e customizado irá mandar na programação.
  • Haverá uma migração do broadcast tradicional para a transmissão por internet.
  • Haverá o aumento da interatividade.
  • O conteúdo será cada vez mais disponibilizado através de vídeo sob-demanda (também conhecido como VoD – Video on Demand).
  • A televisão se tornará onipresente (estará em todas as plataformas, como um objeto híbrido).

O texto termina com a seguinte frase: “A televisão, como conhecemos hoje, dará lugar a uma TV interativa e sem grade fixa de programação, em que tablets e smartphones complementam os programas com extras atraentes. Tecnologia para isso tudo já existe”.

Sim, a tecnologia já existe. Mas não é verdade que “a televisão, como conhecemos hoje, dará lugar a uma TV interativa e sem grade fixa de programação”. Digo isso porque algumas das previsões citadas pela Revista Info já estão sendo colocadas em prática. É óbvio que algumas ainda são ações embrionárias, enquanto outras já estão em estágios mais avançados de implementação. Mas o fato é que essa televisão do futuro já faz parte do nosso presente! Por exemplo:

Muu

Muu

O Muu é um produto de TV Everywhere da Globosat, disponível para computadores, para smartphones (iOS ou Android) e também para iPad. Seu propósito é oferecer, na íntegra, a qualquer hora, quando e onde o usuário quiser, o melhor da TV na internet: programas, séries, filmes, clipes, shows e documentários de canais de TV a cabo como GNT, Multishow, Off, SporTV, Bis, Gloob, Combate, Viva, Universal Channel, + Globosat, Canal Brasil e Megapix.

Os conteúdos são oferecidos através de temas, como aventura, viagem, música, esporte, culinária e muito mais. Para assistir os vídeos, é preciso ser assinante de uma operadora de TV por assinatura, como a NET ou a CTBC, por exemplo.

Telecine Play

Telecine Play

O Telecine Play também é um produto de TV Everywhere. É possível encontrar, na íntegra, cerca de 1.500 filmes da programação dos canais Telecine (Telecine Premium, Telecine Pipoca, Telecine Action, Telecine Fun, Telecine Touch e Telecine Cult). Além disso, é possível assistir os filmes no lugar e na hora que o usuário quiser (computador desktop ou notebook, iPad, iPhone, iPod Touch e, em breve, em tablets e smartphones com sistema Android), com a vantagem de poder pausar, voltar ou adiantar as cenas.

O conteúdo está distribuído através de gêneros como comédia, drama, suspense, ação, romance, além de ser possível encontrar filmes utilizando a navegação por atores e diretores. Para assistir aos filmes, é necessário ser assinante de um pacote de TV por assinatura com os 6 canais da Rede Telecine, em uma das operadoras parceiras do produto (NET, SKY, GVT ou Vivo).

Philos

Philos.TV

O Philos não é um canal de TV tradicional, é um canal de vídeo sob demanda (VoD – Video on Demand). Isso significa que o canal é quem faz a “videoteca”, mas é o assinante quem decide a qual programa quer assistir e quando.

O Philos tem uma característica diferente do Muu e do Telecine Play. É um produto SVoD (Subscription VoD), ou seja, é preciso pagar uma mensalidade de R$ 14,90 (além da assinatura de um pacote de TV a cabo) para assistir aos vídeos do seu acervo de títulos cuidadosamente selecionados, com uma coleção sobre arte, música, história, atualidades, ciência, povos e culturas, além de entrevistas e debates, performances de dança, concertos e óperas.

Já é possível assistir a algumas das atrações do canal na web ou na TV. Através do vídeo abaixo, você pode entender melhor como é possível ver os conteúdos do canal na televisão (através do NOW da NET).

Além disso, em breve, todo o acervo também estará disponível em aplicativos para Android, iPhone e iPad.

Receitas GNT

Receitas GNT

O Receitas GNT tem uma proposta muito parecida com a do Philos (é um produto SVoD, ou seja, é preciso pagar uma mensalidade, além da assinatura de um pacote de TV a cabo). Só que, ao invés de oferecer conteúdos baseados em documentários e espetáculos, o Receitas GNT apresenta os melhores programas de gastronomia do canal GNT da Globosat, editados exclusivamente para os assinantes.

O produto permite que o acesso aos vídeos seja realizado através de uma navegação por listas de ingredientes ou por modos de preparo. Além disso, o usuário pode acessar a qualquer hora, em qualquer lugar. As receitas são de chefs famosos, como Claude Troisgros, Olivier Anquier, Felipe Bronze e Rita Lobo.

São cerca de 200 opções de pratos: carnes, aves, peixes e frutos do mar, massas e risotos, sopas e saladas, sobremesas e drinks. Todo mês, 20 novas receitas serão adicionadas ao acervo.

Já é possível assistir a algumas das atrações do canal na TV, através do NOW da NET. O vídeo abaixo explica como assistir na televisão.

Premiere FC.com

PremiereFC.com – Jogos de Futebol Ao Vivo em Qualquer Lugar

O PremiereFC.com é o serviço de transmissão de jogos de futebol ao vivo pela web, que permite o usuário assistir aos jogos do seu time em qualquer lugar, não precisando estar na frente da TV de casa.

O serviço é exclusivo para quem possui o canal de televisão Premiere FC, da Globosat, no seu pacote de TV por assinatura. Por R$ 9,90 adicionais ao valor do pacote, o usuário pode acompanhar os jogos dos campeonatos Paulista, Carioca, Gaúcho e Mineiro, além dos jogos do Brasileirão. E tudo isso ao vivo pela internet (em PCs ou notebooks), iPad ou iPhone, onde o usuário estiver.

O PremiereFC.com destina-se exclusivamente à transmissão ao vivo dos jogos de futebol, não exibindo qualquer conteúdo fora do horário das partidas. Para acessar, o usuário deve usar um login e senha fornecidos pela sua operadora de TV por assinatura.

+Futebol

Aplicativo +Futebol do SporTV – Tela Inicial

Aplicativo +Futebol do SporTV – Tela de Escalação

Aplicativo +Futebol do SporTV – Tela de Estatísticas

Aplicativo +Futebol do SporTV – Tela de Vídeos

O +Futebol é um aplicativo de segunda tela do SporTV, que pode ser usado para acompanhar os jogos de futebol na TV. Enquanto assiste a partida ao vivo, o usuário tem a possibilidade de utilizar uma série de funcionalidades como:

  • Replay dos vídeos da partida com os principais lances.
  • Estatísticas em tempo real do confronto e dos jogadores.
  • Classificação completa  do campeonato e atualizada em tempo real.
  • Arquibancada virtual através da integração do aplicativo com o Twitter.

Tudo.TV

Aplicativo Tudo.TV

O Tudo.TV é um aplicativo para iPad que mostra a grade de programação de mais de 300 canais da TV brasileira. A proposta é funcionar como um guia para o telespectador não perder nem um minuto do seu programa, filme, série ou show favorito. O usuário só precisa configurar o aplicativo para receber alertas e ser avisado antes dos seus programas preferidos começarem.

Além de rápido, fácil e gratuito, o aplicativo pode ser utilizado como uma segunda tela para o telespectador contar para os seus amigos o que ele está assistindo na TV. Também é possível ver tudo o que as outras pessoas estão comentando sobre um determinado programa.

As funcionalidades que mais se destacam no aplicativo são:

  • Ver a programação completa da TV brasileira.
  • Selecionar seus canais favoritos em SD (Standard Definition) ou HD (High Definition).
  • Criar alertas para seus programas preferidos.
  • Saber o que todo mundo está comentando sobre a programação da TV.
  • Comentar a programação da TV nas redes sociais.
  • Não perder nunca mais o que passa na TV.

Pelos exemplos acima, é possível perceber que muitas novidades já estão disponíveis para a gente usar! Provavelmente, ainda vamos ver muita coisa bacana e diferente por aí. Muitas ideias vão fracassar, é claro, enquanto outras serão grandes sucessos de audiência. As empresas de TV e os produtores de conteúdo ainda estão construindo esses novos modelos de negócios. Portanto, há muito espaço para experimentação. Quem lucra é você, sou eu e qualquer outro telespectador.

José Bonifácio de Oliveira Sobrinho (Boni), responde a pergunta “a TV tem futuro?” no seu livro. Ele escreveu o seguinte: “claro que a TV tem futuro! Sempre ouvi que o rádio acabaria com os jornais, que o cinema acabaria com o teatro, que a televisão acabaria com o rádio e que a internet seria um míssil que destruiria isso tudo de uma só vez. Nada disso aconteceu. A verdade é que nada morre. Tudo se transforma”.

Boni também escreve que o caminho da televisão será, prioritariamente, a transmissão de eventos ao vivo, que serão disputados pelas emissoras. Tudo o que for possível ser visto, irá para os catálogos de VoD e sairá das grades de programação, que irão para o espaço. A luta se dará entre “enlatados” e programas ao vivo. E a entrada das “teles” na distribuição do sinal de televisão irá ampliar o universo de assinantes e acelerar a implantação da banda larga, aumentando a velocidade de tráfego da internet e promovendo mais facilidades para os programas de TV apoiados em novas tecnologias.

E você? Concorda com o Boni? Só o tempo dirá! Enquanto isso, vamos preparar uma pipoca, sentar no sofá da sala e aguardar, ansiosos, pelas mudanças. No final, nós telespectadores só temos a ganhar! :-)